CUIDADOS PALIATIVOS

Autor: Fernando A. Garcia Guimarães


Conta-nos o novo testamento, em Atos, que após Jesus ter padecido na cruz, apareceu por quarenta dias para os apóstolos, determinando-lhes que não deixassem Jerusalém.

Disse-lhes que receberiam a virtude do “Espírito Santo” e que seriam suas testemunhas por Jerusalém e por toda a Terra.(1)

Os apóstolos, então retornaram à Jerusalém e se reuniram no local onde havia ocorrido a “Última ceia” e permaneceram em orações e súplicas. Diz-se que no dia em quecomemoravam o Pentecostes, festa baseada em uma antiga tradição hebraica, e que é uma homenagem ao dia em que Moisés recebeu as Tábuas com as Leis Sagradas, os apóstolos, em um fenômeno mediúnico, começaram a falar em outras línguas. Inicia-se, então o processo de disseminação da idéias de Jesus.

O grupo de adeptos cresceu, as pessoas vendiam suas propriedades, seus bens e compartilhavam tudo. Reuniam-se todos os dias no templo, oravam, dividiam o pão, comendo juntos com alegria e singeleza de coração.(2) Num destes dias de oração, Pedro e João curaram por meio da fé um homem com deficiência física. A notícia se espalhou e, por conta disto, enfermos eram conduzidos à Pedro para serem curados.(3)(4)

Estava constituída a “Casa do Caminho”. Segundo o evangelho de João, na noite que antecedeu o calvário, Tomé pergunta a Jesus: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? O Mestre respondeu: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.​(5) Em decorrência desta frase, os apóstolos que divulgavam as lições de Jesus passaram ser denominados “homens do caminho” e a casa administrada por Simão Pedro de “Casa do Caminho”, local de acolhimento e hospedagem de enfermos.

Com relação à Cuidados Paliativos, pelo dicionário Houaiss, paliar é tornar menos intenso; abrandar, amenizar, atenuar, aliviar provisoriamente, sendo a palavra paliativo derivada do latim “pallium” que quer dizer manto, cobertor.(6) Historicamente o cuidado paliativo se confunde com o termo Hospice. Hospices eram abrigos (hospedarias) destinados a receber e cuidar de peregrinos e viajantes. Esta palavra data dos primórdios da era cristã quando estas instituições fizeram parte da disseminação do cristianismo pela Europa.(7) São as “Casas do Caminho”.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em conceito definido em 1990 e atualizado em 2002, "cuidados paliativos consistem na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares, diante de uma doença que ameace a vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais".

Em 1986, a OMS publicou os 9 princípios que regem a atuação da equipe multiprofissional de Cuidados Paliativos.(7) Eles podem ser representados pelo acrônimo AMOR seguido por 3 letras “S” e a sigla “QI” (AMOR SSS QI):

A = A​lívio da dor e sintomas desagradáveis

M = M​orte é um processo normal, afirmar a vida

O = O​rtotanásia, ou seja, não acelerar (eutanásia) ou retardar (distanásia) a morte

R = R​eligiosidade: integrar aspectos da religiosidade e psicológicos nos cuidados

S = S​uporte de atividades de vida diária

S = S​uporte aos familiares

S = S​uporte multiprofissionals

Q = Q​ualidade de vida: melhorar e influenciar positivamente

I = I​nício Precoce

No Manual de Cuidados Paliativos da Academia Nacional de Cuidados Paliativos, a Dra. Ana Cláudia de Lima Quintana Arantes afirma que os pacientes portadores de doenças graves, progressivas e incuráveis, que ameacem a continuidade da vida, deveriam receber a abordagem dos Cuidados Paliativos, desde o seu diagnóstico. No entanto, segundo a autora, não temos ainda disponibilidade de profissionais e serviços que possam dar conta do atendimento dessa população.(7)

Passa a ser fundamental, diante do exposto, lutar por mudar esta realidade. Pacientes com doenças graves, com sofrimentos muitas vezes intensos, vivenciando o processo da morte, cruzam com frequência o caminho de profissionais da saúde. Que o maior número deles possa se habilitar para aplicar os princípios do AMOR, ser “homens do caminho”, trabalhadores do nosso Mestre Jesus, para conduzir seus pacientes de retorno à Casa do Pai.

Referências bibliográficas

(1) Atos 1:2-8

(2) Atos 2:1-48

(3) Atos 3:1-11

(4) Atos 5:12-16

(5) João 14:5-6

(6) Houaiss. Disponível na URL http://houaiss.uol.com.br/

(7) Manual de Cuidados Paliativos da Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Disponível na URL http://www.paliativo.org.br

 

Dr. Fernando Augusto Garcia Guimarães - Conselheiro da AME SANTOS