Roda terapêutica comunitária valoriza o saber e a troca de percepções

Autor: Giovana Campos


Roda terapêutica comunitária valoriza o saber e a troca de percepções

 

Giovana Campos

 

Em um trabalho ímpar de integração e valorização do próximo, as rodas de terapia comunitária integrativa, ou rodas de TCI, como são comumente chamadas, têm o objetivo de criar um espaço de fala para que as pessoas possam conversar sobre seus problemas, suas angústias ou dúvidas, criando redes de solidariedade e apoio. Desse modo, surge um espaço de promoção de encontros que valoriza histórias de vida dos participantes e favorece a ampliação da percepção dos problemas e das possibilidades de esclarecimento a partir de seus olhares.

Há alguns anos sendo realizada pela Associação Médico-Espírita do Distrito Federal (AME-DF), essa proposta terapêutica trouxe benefícios e laços de companheirismo, além de auxiliar famílias, proporcionando bem-estar aos seus participantes. A médica Maria da Penha Batista, membro da AME-DF e coordenadora da roda de TCI, nos traz mais informações sobre esse trabalho.

 

Como a roda de terapia comunitária pode ser uma ferramenta de promoção da saúde?

Maria da Penha Batista – A roda foi formatada pelo dr. Adalberto Barreto, médico psiquiatra cearense, exatamente com este objetivo: promover saúde em uma comunidade carente, no Ceará. Ele percebeu que havia muitos saberes na comunidade para além do acadêmico, assim como muitas das enfermidades eram decorrentes de questões emocionais não resolvidas: raivas que davam gastrite, medos que levavam a colites, angústias que levavam a problemas cardíacos etc. São energias bloqueadas em um órgão que, ao serem expressas pela linguagem e, principalmente, em um grupo de escuta, se atenuam e se curam. Aliás, esse é o lema da roda de terapia comunitária: quando a boca cala, os órgãos falam; quando a boca fala, os órgãos saram.

 

Como surgiu a ideia de inserir esse trabalho na AME-DF?

Maria da Penha – O trabalho de autoconhecimento sempre foi uma busca minha e de mais duas amigas. Eu já conhecia e admirava o trabalho do dr. Barreto, pois estive em seminários realizados com essa temática. Quando surgiu a oportunidade da formação, algumas amigas e eu fomos fazer e nos encantamos. E como nós três somos pertencentes à AME, a ideia de um trabalho de benemerência pautado na Roda de TCI foi sendo mentalizada. Fazíamos um trabalho em um centro espírita pequeno, em uma cidade de Goiás, muito próxima a Brasília. Começamos por lá, com poucos participantes, e foi maravilhoso.

 

Existem regras do que pode ou não fazer em uma roda de terapia?

Maria da Penha – Sim! Essas propostas foram muito bem desenhadas para que alcançasse seu objetivo. Há regras que seguimos em todas as rodas. Ela dura 1h30 e se compõe de três etapas distintas. A primeira é o acolhimento – boas-vindas/regras da roda/comemorações do mês/dinâmica de aquecimento. A segunda é a escolha do tema, ou ponto central – etapa em que os temas são trazidos pelos participantes, problematizados e escolhido um único assunto para discussão e aprofundamento. Após isso, chega o terceiro e mais rico momento: a partilha das experiências de todos que tiveram a experiência de algo semelhante e superaram. Surgem várias alternativas que poderão ajudar a pessoa que trouxe um problema/tema. Ela própria fará a escolha de qual alternativa poderá utilizar. É o resgate gradativo da autoestima. A transformação das participantes ao longo do tempo é fantástica. Por fim, temos o encerramento, que é um ritual de agregação em que fazemos uma roda, nos abraçamos e colocamos o que estamos levando da dinâmica realizada naquele momento.

 

Então, as emoções bloqueadas ou não expressas podem gerar problemas de saúde?

Maria da Penha – Sim. Nós somos feitos de energia. Emoção é energia em movimento. Quando esse movimento flui sem resistência, torna todo nosso corpo mais harmônico, nossos órgãos funcionais. Toda enfermidade se inicia nesse campo energético, passa para o funcional até chegar ao corpo físico. Energias estancadas em algum local bloqueiam esse fluxo. A linguagem é um grande instrumento de libertação desses bloqueios quando ela encontra ouvidos de ouvir. A roda terapêutica é um espaço de escuta. Traz também embutida uma das grandes necessidades de todos nós – a de pertencimento. As participantes sentem-se pertencentes àquele grupo, criando vínculos, o que gera confiança e amplia relações. E as boas relações são a causa mais importante como determinante de uma vida mais feliz.

 

É possível inserir a espiritualidade na roda terapêutica sem que haja problemas perante as diferentes religiosidades que possam existir?

Maria da Penha – Sem nenhum problema fazemos isso. Sempre iniciamos com uma prece e, durante ou após a roda, a depender do tema, podemos trazer passagens bíblicas para ilustrar. Apesar de fazermos esse trabalho dentro de um centro espírita, a maioria dos participantes não é espírita. Temos muitos evangélicos e alguns católicos. Se alguém se sente protegido pelo seu anjo da guarda, pelo Espírito Santo ou pelo seu mentor espiritual, não faz mesmo diferença para nós. Como dizia o médium Chico Xavier, a religião certa é a que faz do ser humano um ser melhor. A característica da roda é muito mais do que tolerar a diferença, é a celebração da diversidade.

 

Quais os requisitos para conduzir uma roda terapêutica?

Maria da Penha – É necessário fazer a formação, que consiste num curso de um ano e meio, em módulos, onde aprendemos mais sobre nós para podermos ampliar a nossa escuta sobre o outro. Ainda nesse curso, participamos de várias rodas para nos familiarizarmos com a ferramenta e precisamos praticar 48 rodas para concluir o curso. A grande dificuldade para todos nós e disciplinar a todos e também saber interromper quando alguém se alonga nas falas. Temos que dar voz a quem quiser falar. Exercitamos isso a cada roda, até hoje. A preferência é que tenha três facilitadores, assim cada um se responsabiliza por uma etapa.

 

E para os participantes? Há número limite?

Maria da Penha – Nenhum requisito nem restrição para participar, apenas seguir as regras da roda. Volta quem quer e quando quiser. Quanto ao limite de participantes, depende do espaço onde a fazemos. A nossa atualmente participa de 25 a 35 pessoas. O importante e que todos possam se olhar e se ouvir naquele espaço.